III Simpósio Brasileiro de Teste de Software Sistemático e

Automatizado

O teste de software é uma das mais populares técnicas de Verificação e Validação de Software usadas atualmente no setor de software. Quando aplicado efetivamente, esta técnica pode fornecer evidências importantes quanto à qualidade e confiabilidade de um sistema de software.

O cenário atual mostra que estamos cada vez mais dependentes de software em atividades diárias e ambientes industriais, emergindo uma necessidade crescente de respostas rápidas e corretas desses sistemas, que são muitas vezes críticas, disseminadas, persistentes, móveis, distribuídas, em tempo real, embadurnadas, e adaptativo. Esta necessidade impulsiona o desenvolvimento de técnicas, critérios e ferramentas de suporte para testes de software considerando os diferentes domínios de aplicação e paradigmas de programação.

Após sua estréia em 2016, a SAST promoverá sua 3ª edição, embora existisse desde 2007 com o nome do Workshop Brasileiro de Testes de Software Sistemático e Automatizado. Este é o principal evento científico em testes de software no Brasil. Seu objetivo é promover um fórum anual para discutir questões sobre a sistematização e automação da atividade de teste de software, promovendo a interação entre pesquisadores e indústria, a fim de fortalecer a cooperação e a inovação nesta importante área de desenvolvimento de software.

Chamada de Trabalhos

Teste de Software tem grande importância na verificação e validação de sistemas de software. Estudos experimentais indicam que as atividades relacionadas aos testes do software contribuem com, pelo menos, 50% dos custos de seu desenvolvimento.

Abordagens de teste sistemático e automatizado tem se demonstrado capazes de contribuir para a redução destes custos. Casos de sucesso na indústria têm sido constantemente apresentados e o interesse nas investigações na academia aumenta continuamente, como pode ser observado através do grande número de pesquisadores envolvidos neste tema. Desta forma, o objetivo principal do SAST é organizar e tornar disponível um fórum de discussão para congregar as comunidades da indústria e da academia envolvidas com a sistematização e automação dos testes de software para diferentes categorias de sistemas.

Em sua 3ª edição como simpósio co-localizado com o Congresso Brasileiro de Software: Teoria e Prática (CBSOFT), o SAST convida a todos para participar do evento. Durante este período, São Carlos será o local para todos os interessados em Teste de Software Sistemático e Automatizado.

TÓPICOS DE INTERESSE

O SAST promove a discussão harmônica e conjunta entre os profissionais da academia e indústria envolvidos com práticas, atividades, e ferramentas relacionadas ao teste de software sistemático e automatizado. Os tópicos cobertos pelo simpósio incluem, mas não se limitam, os seguintes:

  • Teste de Software Automatizado: ambientes, ferramentas e relatos sobre automação de testes na indústria
  • Teste Combinatório e Teste Aleatório
  • Teste de Software Distribuído e Paralelo
  • Teste baseado em Erro e Teste baseado em falta
  • Gerenciamento e Integração de Atividades e Recursos de Teste
  • Manutenção e Reuso de Artefatos de Teste
  • Testes Baseados em Modelo e Testes Dirigidos por Modelo
  • Testes de Desempenho, Carga e Estresse
  • Predição e Teste baseado em Riscos
  • Testes baseados em Programa, Testes baseados em Especificação, Teste de Requisitos
  • Adequação dos Testes e Medidas de Cobertura
  • Geração de Casos de Teste e Técnicas de Seleção
  • Motores de Testes, Stubs, Frameworks e Geração de Roteiros de Teste
  • Análise de Efetividade de Testes e Geração de Relatórios de Teste
  • Oráculos de Teste e Técnicas de Verificação dos Resultados do Teste
  • Teste de Sistemas de Software Contemporâneos: Móveis, Em Nuvem, Sensíveis ao Contexto, IoT, Indústria 4.0
  • Teste de Requisitos Não Funcionais: Segurança, Safety, Interoperabilidade, dentre outros.

PRÊMIO DE MELHOR ARTIGO

Os autores dos melhores artigos serão convidados para submeter uma versão estendida para um Journal, a ser definido.

DIRETRIZES DE SUBMISSÃO

O SAST aceita submissões de artigos técnicos apresentando contribuições originais para a área de pesquisa de Testes de Software. O artigo deve ter entre seis e dez páginas, incluindo todas as figuras, referencias e apêndices, seguindo o formato dos Anais da ACM.

Os artigos podem ser escritos em Português ou Inglês. Entretanto, o SAST encoraja que as submissões sejam realizadas em Inglês, devido a que os Anais serão publicados na Biblioteca Digital da ACM. Para os artigos escritos em Português, o título e o resumo devem estar em Inglês (como recomendado pela ACM). Os artigos serão avaliados de acordo com sua adequação ao escopo do SAST, relevância, coerência técnica e originalidade. Os artigos devem tornar explicita sua relação com eventuais trabalhos anteriores, principalmente aqueles publicados pelos mesmos autores. Artigos envolvendo estudos empíricos e experimentais devem descrever os métodos utilizados e apresentar uma interpretação quantitativa e/ou qualitativa dos resultados. Ao menos três membros do Comitê de Programa do SAST estarão envolvidos na avaliação de cada artigo submetido.

Todas as submissões devem ser realizadas em Adobe Portable Document Format (PDF) utilizando o sistema JEMS. Os artigos devem estar m conformidade com o formato em duas colunas para conferencias ACM (ACM_SigConf) disponível em http://www.acm.org/publications/proceedings-template.

PUBLICAÇÃO

Para os artigos aceitos, pelo menos um dos autores deve estar registrado no SAST e o artigo deve ser apresentado durante o simpósio para ser incluído na Biblioteca Digital da ACM.

DATAS IMPORTANTES

Registro de Artigos (resumos): de 28/05 até 04/06
Submissão do Artigo: 22/06 (deadline firme!)
Notificação de Aceitação: 23/07
Envio da Versão final: 06/08


COMITÊ DIRETIVO

Adenilso da Silva Simão, USP/SC
André Takeshi Endo, UTFPR
Arilo Claudio Dias Neto, UFAM
Avelino Francisco Zorzo, PUCRS (SAST PC Chair)
Guilherme Horta Travassos, COPPE/UFRJ (SAST PC Chair)
Márcio Eduardo Delamaro, ICMC/USP
Patrícia Duarte de Lima Machado, DSC/UFCG

COMITÊ DE PROGRAMA

Adenilso da Silva Simão , ICMC-USP-São Carlos
Ana Paiva, Universidade do Porto
André Takeshi Endo, Universidade Tecnológica Federal do Parana (UTFPR)
Antonia Bertolino, Istituto di Scienza e Tecnologie dell'Informazione (ISTI) and CNR
Arilo Claudio Dias Neto, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)
Auri Marcelo Rizzo Vincenzi, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)
Elder de Macedo Rodrigues, Universidade Federal do Pampa – (UNIPAMPA Alegrete)
Eliane Martins, UNICAMP
Elisa Nakagawa, ICMC-USP-São Carlos
Ellen Francine Barbosa, ICMC-USP-São Carlos
Everton Leandro Galdino Alves, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Fabiano Cutigi Ferrari, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Francisco de Oliveira Neto, Chalmers | University of Gothenburg
Ivan do Carmo Machado, Universidade Federal da Bahia (UFBA)
José Carlos Maldonado, ICMC-USP-São Carlos
Marcelo d’Amorim, Universidade Federal de Pernambuco
Marcelo Medeiros Eler, EACH-USP-São Paulo
Marcio Eduardo Delamaro, ICMC-USP-São Carlos
Marcos Lordello Chaim, EACH-USP-São Paulo
Michael Felderer, University of Innsbruck
Nicolas Anquetil, INRIA
Otavio Augusto Lazzarini Lemos, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Patrícia Duarte de Lima Machado, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Pedro de Alcântara dos Santos Neto, Universidade Federal do Piauí (UFPI)
Rivalino Matias Jr., Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Santiago Matalonga, University of the West of Scotland
Sergio Segura, Universidad de Sevilla
Silvia Regina Vergílio, Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Valdivino Santiago Júnior, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
Vânia Neves, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
Vinicius Humberto Serapilha Durelli, Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ)
W. Eric Wong, University of Texas at Dallas
Wesley Klewerton Guez Assunção, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
Wilkerson de Lucena Andrade, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Convidados

Domenico Amalfitano, Universidade de Napoli “Federico II”


Domenico Amalfitano é professor assistente na Universidade de Napoli "Federico II". Sua atividade de pesquisa diz respeito principalmente à engenharia reversa, compreensão de programas, migração, teste e automação de testes de sistemas de software orientados a eventos, principalmente nos contextos de Aplicativos da Web, Aplicativos Móveis e Interfaces Gráficas do Usuário.

Título: Testando Aplicativos Móveis: Desafios, Estado da Arte e Tendências Futuras
Resumo: Nos últimos anos, observa-se uma difusão de aplicativos móveis e também uma aumento nessa tendência, uma vez que esses aplicativos não têm sido desenvolvidos para serem apensas executados em celulares, mas também em outros dispositivos, como wearables, smart TVs e veículos. Além disso, os aplicativos móveis têm sido cada vez mais explorados nas tarefas diárias, até mesmo em tarefas executadas em cenários críticos de negócios ou de segurança. Com a difusão de aplicativos móveis, tanto a indústria quanto a comunidade científica têm dedicado esforços na proposição de metodologias inovadoras, novas técnicas e ferramentas para apoiar os processos de teste destinados a avaliar a qualidade de tais aplicativos. O principal objetivo da palestra é fornecer uma visão geral detalhada sobre o estado da arte e o estado da prática do teste de aplicativos móveis, além das tendências futuras.

Paulo Roberto Celidonio Caroli, ThoughtWorks - Brasil


É autor do best-seller Direto ao ponto: criando produtos de forma enxuta, que compartilha o segredo por trás do sucesso do movimento Lean Startrup, do Vale do Silício. Sua contribuição mais recente, o Canvas MVP, é um quadro visual que auxilia empreendedores a alinhar e definir a estratégia do MVP–Minimum Viable Product, em inglês. Consultor principal da Thoughtworks Brasil e co-fundador da AgileBrazil, Paulo Caroli possui mais de vinte anos de experiência em desenvolvimento de software, trabalhando em diversas corporações no Brasil, Índia, EUA e América Latina. Em 2000, ele descobriu o Extreme Programming e, desde então, concentrou sua experiência em processos e práticas da Agile & Lean. Ele ingressou na ThoughtWorks em 2006 e ocupou os cargos de Agile Coach, Trainer, Project e Delivery Manager. Ele recebeu um Bacharel em Informática e MS em Engenharia de Software, ambos da PUC -Rio. Paulo Caroli é apaixonado por inovação, empreendedorismo e produtos digitais. Ele é engenheiro de software, autor, palestrante e um excelente facilitador.

Título: Canvas MVP: uma ferramenta ágil para a transformação digital
Resumo: O mundo está mudando cada vez mais rápido. Com o advento da internet, da mobilidade, das redes sociais e a computação nas nuvens, tudo ficou acelerado. Antigamente, o surgimento de produtos inovadores era mais lento e provavelmente não iriam derrubar o CEO. Ele se aposentaria antes disso. Agora é diferente. O futuro chega mais rápido. E, com ele, a inovação disruptiva, aquela que altera o seu negócio pela raiz. Que vai derrubar um CEO após o outro e tirar a empresa do mercado. A mensagem é clara: só vão sobreviver os mais ágeis e inovadores. É questão de tempo, mas esse tempo é curto. Quem não se reinventar vai ficar de fora. Nessa palestra vamos compartilhar uma ferramenta ágil para auxiliar com transformação digital e inovação. Vamos explorar o conceito de Lean StartUp, conversar sobre exemplos de MVP (Minimum Viable Product, em inglês) e explorar o canvas MVP.